Apicetomia: A resposta ás dúvidas dos pacientes

Publicado em 13/12/2017

Apicetomia: A resposta ás dúvidas dos pacientes

microcirurgia endodontica

Hoje vamos dedicar-nos a abordar o tema da técnica da microcirurgia endodôntica, ou apicectomia, para responder às dúvidas do paciente, com informações clínicas que possam dar uma resposta às questões dos pacientes que estão com necessidade deste tratamento.

 

A cirurgia de apicectomia é dolorosa? Quando terminar o efeito da anestesia, eu vou inchar e ficar dorido? Existe o perigo de uma infecção?

Durante a apicectomia, a administração de anestesia local profunda e, a eventual sedação, permitem a execução das várias fases cirúrgicas com ausência total de dor. A ausência de dor permite que o paciente se sinta confortável e o médico dentista trabalhe com tranquilidade e eficiência. O período pós-operatório não será também problema se os analgésicos e medicamentos antiinflamatórios forem tomados de acordo com a prescrição médica. A ausência de infecções bacterianas é garantida por terapia antibiótica com antibióticos, tomadas em intervalos regulares durante o período apropriado de acordo com os protocolos clínicos testados.

Juntamente com estas questões normalmente junta-se a apreensão de cada pessoa  que manifesta quando tem que se submeter a qualquer tipo de acto de tratamento cirúrgico, relativas à necessidade real de tratamento e dos resultados obtidos, que são perfeitamente legítimas e compreensíveis. 

É melhor fazer uma apectomia ou terapia endodôntica não cirúrgica?

Estas perguntas exigem uma resposta com base no conhecimento completo do aspecto clínico do caso em concreto. No entanto, nos dias de hoje, é uma prática comum que os pacientes procurem as respostas muitos sites da internet, tirando conclusões pessoais e errôneas.

No artigo científico "Apicectomia: o estado da arte na endodontia cirúrgica ", o Prof. Arnaldo Castellucci - um dos grandes especialistas do assunto - afirma claramente que somente depois de avaliar a impossibilidade de corrigir o motivo de insucesso endodôntico com um retratamento endodôntico não cirúrgico, estamos autorizados a intervir cirurgicamente com a remoção do ápice da raiz com patológia e subsequente limpeza e selamento retrógrada do canal.
Hoje em dia, as técnicas e os instrumentos que temos para retratar as falhas endodônticas evoluiram de tal forma que os casos que mostram uma indicação à cirurgia e que não podem ser retratados ​​por via não cirúrgica são cada vez mais escassos. A maioria das lesões apicais crônicas ( granulomas, quistos e fístulas) curam por terapia endodôntica não cirúrgica correta. 

De acordo com o que endodontistas especializados como Schilder, Ingle, Weine e outros, a apicectomia deve estar reservada para os casos em que a formação, limpeza e selamento de canais radiculares são impossíveis desde o início ou quando as tentativas de retratamento não cirúrgico falharam. Mas, mesmo nestes casos, no entanto, recomenda-se que preencha a maior parte do canal com métodos tradicionais antes de proceder à cirurgia.

De outra opinião é Prof. Buchanan, também ele um endodontista mundialmente famoso.
Para ele, a abordagem cirúrgica é preferível ao retratamento convencional nos casos em que não há infiltração bacteriana a montante, ou seja, perda do selamento coronal do dente, evitando assim uma terapia complexa, com o potencial de maior risco de perda do dente e mais dispendiosa pois também envolve a remoção da prótese fixa pré-existente. 
Em última análise, ele afirma que quando a apectomia parece mais simples, deve ser praticada primeiro com a ressalva de que, se não levar ao sucesso, o tratamento não cirurgico seguirá.

A apectomia é a escolha certa para o granuloma? E de quistos?

Os quistos radiculares representam mais de 50% dos quistos de origem dentária e surgem em associação a um dente não-vital. Até à data não existem métodos pré-operatórios, apoiados por evidências científicas, que podem ser aplicados para distinguir um granuloma apical de um quisto radicular, apenas o exame histológico pode diferenciar as duas lesões.

Clínicamente, no entanto, sabemos que ambas as lesões são sustentadas pela mesma causa - que é a infecção no interior do canal do dente - e, portanto, se não for removida por terapia direta ortograda ou retrógrada do canal radicular ,  somente a remoção cirúrgica da lesão juntamente com o ápice da raiz pode não evitar a recorrência da lesão. 

Há evidências científicas, indiretas, indicando que os quistos da raiz desaparecem simplesmente com terapia endodôntica não cirúrgica. De fato, mesmo se o tratamento do canal radicular é realizado sem conhecer a natureza real da lesão apical (granuloma ou quistos), dado o alto sucesso desta terapia e a incidência relativamente alta de quistos radiculares, pode-se prever que os quistos de raiz podem regredir simplesmente com tratamento do canal radicular. No passado, acreditava-se que só com pequenos quistos era possível o tratamento não cirúrgico, mas atualmente o tamanho da lesão não parece ser influênciador do sucesso. Se, depois de um periodo de tempo adequado de observação (seguimento) a lesão ainda permanecer, a via cirúrgica é a alternativa  indicada para abordar o tratamento.

Em termos  de prognóstico de sucesso, podemos dizer que, foram introduzidos o uso do microscópio operatório ou lupas, o uso de pontas de ultra-som específicas e o desenvolvimento de materiais de reparação do tecido dentário - como o MTA - aumentaram significativamente os resultados positivos do tratamento endodôntico cirúrgico ou apicectomia. De facto, os resultados de uma revisão sistemática da literatura especializada científica publicada em 2015 na revista Clinical Oral Investigations confirmam o sucesso do tratamento com percentagens de 90%. Pela relevância clínica deste estudo é que hoje podemos considerar a apectomia uma técnica eficaz de retratamento endodôntico com resultados previsíveis.

A opção de tratamento entre a técnica cirúrgica ou não cirúrgica dependerá exclusivamente da situação clínica existente para esse caso particular, bem como de uma avaliação médica cuidadosa geral do paciente.

 

+ VER MAIS



Acordos e parcerias

Temos acordos e parcerias com diversas entidades. Para consultar lista completa clique aqui

Este site usa cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar estará a aceitar a sua utilização